Arquivo | dezembro, 2010

Tudo vem no momento certo!

30 dez

Frase manjada esta!! Mas na verdade, por mais que a vida nos mostre isto o tempo inteiro e nos esforcemos para acreditar (o que faz com que nos tornemos mais otimistas e nos permite enfrentar os momentos mais difìceis e os desafios com mais tranquilidade).. Bem, por mais que acreditemos “na teoria”, na pràtica nem sempre é fàcil.

Na nossa vida se alternam o tempo todo momentos de alegrias, de luz ,de satisfaçao, com alguns um pouco mais obscuros. .Quando as coisas parecem nao estar dando certo, quando a vida parece empacada, ou quando aparece um abismo entre o que jà foi feito e o que està para ser realizado.

Me lembro de alguns momentos da minha vida nos quais me sentia triste, desiludida, beirando o desespero, especialmente quando “me jogavo”, depositavo esperanças, eu diria até “contava com o ovo antes da galinha botar”. Estou falando nao da vida sentimental, que graças a Deus é abençoada, tenho um namorado que é um amor, um amante, um amigo, um futuro marido maravilhodo. Além do mais, tenho uma famìlia muito especial, e amigos (as) incrìveis, e.. espalhados pelo mundo!!

Bem, o que acontece agora?? Primeiro esta coisa do reconhecimento do meu diploma, que ainda vai levar no mìnimo uns 6 meses. E as coisas, as oportunidades perdidas por causa disto. (Mas, como disse a Verinha, a tua parte tu fizeste! O Universo sabe o que faz!). Depois, eu, entusiasmada, vendo como certa a possibilidade de um estàgio (ao menos assim seguia fazendo alguma coisa na minha àrea), sinto um balde de àgua fria, ao saber que, neste momento, nao hà nenhuma possibilidade!

Hora de elaborar novos planos, novas estratégias…. Mas… o que??

Tenta estàgio em outros lugares, tenta te organizar pra estudar pra prova. (mas como, sem saber o conteùdo? E. ..estudar 6 meses antes?? Che palle!)

Natal, final de ano… Sinceramente, sao momentos nos quais eu me sinto muito mais sensìvel, à flor da pele… Em alguns momentos, me vinha a pergunta: e agora, o que fazer??

Como me aconteceu em todas as outras vezes, em todos os outros momentos de “crise”, deixei rolar…. Deixei que as làgrimas transparecessem, dei uma boa “lavada” na alma. e vim ver os e-mails…

Surpresa!! Parece que uma das estagiàrias adiou seu perìodo de estàgio… entao, a Psicòloga pensou em mim e ma mandou um e-mail, perguntando se eu seguia interessada. E… pode ser que tenham mais novidades vindo por aì!

Mais uma vez, se confirma a questao de que o que é nosso està guardado, e que tudo vem no momento certo. Também é bem verdadfe que depois da tempestade  vem a bonança!

Agora, com um sorriso no coraçao e as esperanças renovadas, parto para um novo ano, um novo inìcio, tendo na torcida todos aqueles que me querem bem!

Ah… falando em novo ano, amanha partimos. Uma amiga do Ste, do Francesco e da Elisa nos convidu pra passarmos o Reveillon na sua casa. No Lago Maggiore!!

Anúncios

Diferenças culturais

30 dez

Faz um tempo que eu vinha pensando em escrever sobre algumas diferenças culturais, sobre uma mistura de culturas, sobre as minhas vivencias e sobre algumas curiosidades… Mas nada é por acaso, realmente, e hoje, penso, era o momento exato para entrar neste blog e escrever estas linhas… (E outro post, que virà depois).

Milao é uma cidade multicultural, repleta de estrangeiros, nao apenas turistas, mas muitos que vivem, trabalham, moram, enfim, que construìram a sua vida aqui. Isto a meu ver tem seus pròs e contras, suas vantagens e desvantagens. A verdade é que muitos dos estrangeiros trabalham com coisas que os italianos nao gostam (ou nao gostavam)? Sao operàrios, “badantes”, baby-sitters, “pedreiros”, enfermeiras (aqui faltam!), ecc… Mas è bem verdade que, com a crise que assola o Paìs, italianos estao menos exigentes sobre onde,como e no que trabalhar…e a presença de tantos estrangeiros, às vezes parece incomodar.

Embora praticamente todo o tempo se tenda a ver Milao como uma cidade que recebe, que acolhe, nas “entrelinhas”, nem sempre é assim. Como em todo o mundo ,existem pessoas e pessoas. Como um episòdio que aconteceu num dos bondes, hà alguns meses. Entrou um “controlore” (fiscal) e verificou que 2 pessoas estavam sem a passagem: um adolescente italiano e um senhor, jà de idade, meio maltrapilho, provavelmente um estrangeiro sem-teto. (Que, nonostante la povertà, era pulito e vestito bene, e molto educato). O que nos deixou um pouco chocados, foi o fato que, para o jovem, “fecharam um olho”, e, o idoso, o fizeram descer imediatamente. (Se nao fosse um extracomunitàrio, teria sido diferente?)

Hà anos, a Itàlia recebeu uma quantidade incrìvel de imigrantes, especialmente da europa do Leste. Como acontece no Brasil, especialmente nas grandes cidades, é muita gente! Assim sendo, muitos acabam virando pedintes.

Acho que cada um deve tentar preservar ao màximo a sua cultura, seja ela qual for. Mas, ao mesmo tempo, acredito que, no momento em que escolhemos uma nova Pàtria para vivermos, e que esta nos recebe de braços abertos, devemos, innanzitutto, respeità-la, e respeitar a cultura, os modos e os costumes deste lugar que nos acolheu. Assim, quando vejo alguns estrangeiros que formam seus “guetos” e nao se misturam, ou quando vejo pessoas que moram aqui hà anos e nao sabem falar em italiano (e nao fazem o mìnimo esforço apra aprender), quando vejo pessoas tentando impor seus costumes, sua religiao, suas crenças. (Diferente seria se sinplesmente a “vivessem”!)… quando vejo acampamentos abusivos, pessoas vivendo sem condiçoes de higiene e saneamento bàsico mas ,ao mesmo tempo, se negando a ir habitar no que lhes é oferecido, confesso que me sinto meio mal de ser estrangeira…Além disso, falando de Brasil, ainda existe, aqui, aquela visao de samba, alegria, sexo, festa… mulatas… sensualidade…E, cada um que me conhece, demora um pouco para se convencer que eu seja mesmo brasileira… Como assim? E o contraste que hà entre o sul do Brasil e o RJ, e a Bahia, se torna evidente. (E confesso que nao creio que irei me acostumar ao fato que nos ditos “restaurantes brasileiros” sirvam churrasco gaùcho acompanhado de samba “baiano”, com “mulatas loiras” que lembram o carnaval do Rio e falam com sotaque paulista!)

Bem, mas acabei perdendo o fio da meada. Queria falar sobre hàbitos e costumes. Sabiam que aqui, no Natal, enquanto algumas crianças esperavam o “Babbo Natale”, outras esperavam o Gesù Bambino? Sim! para alguns, quem traz presentes é o menino Jesus! Tao querido que, no dia do seu aniversàrio, presenteia outras crianças!!

E falando em presentes, todos esperam, ansiosos, que arrive dia 6. Dia dos Reis Magos, mas também, dia da “Befana”, bruxa que traz, para as crianças “boazinhas”, doces, chocolates e guloseimas, e, para as “màs”, pedaços de carvao. Neste perìodo, os supermercados sao invadidos por vàrios modelos de “meias” repletas de doces!!

Agora, com o ano novo se aproximando, uma diferença é a que mais chama a atençao:

Primeiramente, mesmo sendo inverno, as roupas expostas na vitrine sao todas… decotadas, vestidos sem manga, que se usaria muito bem no… verao. A Elisa, irma do Ste, me disse que é da alguns anos que a moda, aqui em Milao, nao preve algo especìfico de inverno. Que os vestidos, tecidos, malhas, sao os mesmos…E apsotam nos flouars, lenços, xales, para dar uma aquecida!

Bem, eis que eu e a Elisa fomos em busca de um vestido para eu usar no Reveillon!! Pricipal diferença: sabem quais as cores do Ano Novo aqui na Itàlia? O VERMELHO (especialmente para as peças ìntimas) e o… PRETO!! Isso mesmo! Aqui a cor é o PRETO! inicialmente eu falei pra Elisa que me sentiria estranha vestindo preto na virada do ano, mas no final acabei me rendendo! (Tudo culpa de um vestido que me “chamou”!)- Bem, entao.. na virada ,estarei vestida de preto, con aquela fluar (como se escreve?) que ganhei da tia lourdes, meio creme, meio dourado, com 2 flores cor gelo por cima e, para me cobrir do frio, aquela echarpa vermelha, de cashmere, que tenho jà hà alguns anos. E voilà!

ROMA!

5 dez

Pois é, acabo de voltar de Roma, onde estive para um Congresso. Passei calor, frio, peguei sol, peguei chuva, um pouco de tudo. Participei de um congresso em Cuidados Paliativos, e também passeei, passeei muito porque, como dizem, a vida é aquilo que acontece enquanto fazemos planos!!

Uma vez, quando eu ia aos congressos, passava todo o tempo là…fechada na sala, anotando tudo, e no final estava tao cansada que sò queria saber de cama, mesa e banho (obviamente, em outra ordem).. .e acabava nem conhecendo os lugares…

Agora, tento unir o ùtil ao agradàvel… E se por acaso algum plano nao dà muito certo, paciencia… nada é por acaso, e no final sempre se encontra algo interessante pra fazer!

Cheguei em Roma terça-feira ao meio-dia, para um Workshop que começava às 15hs. E eis que recebo a notìcia_ Metropolitana em greve! Beh… era o ùnico modo de chegar ao local do Congresso. ..Eu poderia ir, mas somente depois das 15:30. O que fazer? Chegar com mais de 1h de atraso?? Ah, quer saber?? Vou é ficar por aqui!! Assim, depois de almoçar e dar uma descansada, saì em giro por Roma, debaixo de uma chuva torrencial… Sim, muita, muita chuva! Mas nao sou de manteiga, né?

Entao, no meu primeiro dia em Roma, caminhei debaixo de chuva por cerca 2hs. Dentre os lugares que visitei, Piazza del Esquillino, Piazza della Republica, Chiesa di Santa Maria Degli Angeli,Teatro dell’Opera, via Nazionale, via Torino, via Cavour, Giardini dei Quirinale, e cheguei ai Mercati Traianei, – Mercato di Traiano, onde tinha o museu dos Foruns imperiais. MUITO LEGAL!

Segundo dia! Inicia o Congresso Oficialmente. Bem interessante! E depois, à noite, vamos jantar em um restaurante chamado Ar Galletto, in Piazza Farnese. Pra chegar là, passeamos muito! Campo dei Fiori, Piazza Spgana, Piazza Navona, Monumento a Vittorio Emanuele II e na volta Collona Traiana, Palazzo Venezia… Bem boa a janta, mas… que exagero!! Prosciuto, fior di zucca, pasta alla matriciana, pasta alla carbonara, pasta con formaggio e peppe, insalata, verdure, spezattini di carne con rucola, lardo, vino, acqua, caffè… Tiramissù… ecc…

Terceiro dia! Pizza!! E como passeio, Coloseo, Arco di Costantino, Quirinalle e, mais tarde: Fontana di Trevi!!! Moedas, desejos, risadas…

Quarto dia: programa da tarde era meio chato pra mim, pois, como psicòloga, nao me interessava tanto saber os detalhes dos remédios usados pra contipaçao, por exemplo. resolvi entao ir passear. >Visitei a Basilica di San Paolo fuori le Mura! Linda! E ainda comprei mel de flor de laranjeira e um creme de nociolla com chocolate fondente pro Ste! Feito pelos monges! Depois, desci na via Cavour, visitei o Coloseo pelo outro lado, a igreja de San Pedro in Vincoli…

Jantar: em um restaurante chamado Il Giardino Romano, na frente da Isola Tiberina. Visitei a Ilha (minùscula), e passei na frente da sinagoga, do museu ebreu. etc… e passei por vàrias ruazinhas pequenas… Roma é tudo història, até os vìnculos menos conhecidos!

O cardàpio? Bem ,cada um comeu uma coisa. Eu, bacalhau alla romana… Bem bom!!

E chega sàbado, ùltimo dia! Conheço vàrios brasileiros que estavam no congresso!! Aliàs, muita gente conhecida, muitos contatos velhos, alguns contatos novos.

Sobre o Congresso, destaque para a sessao de vìdeos e para as lindas apresentaçoes de Musicoterapia e de Clownterapia! AMEI! Também um espaço interessante falando de espiritualidade…

Bem, sàbado, dia de voltar pra Milao. Confesso que nao via a hora, 5 dias de congresso.. cansa! Mas nao dà pra ir embrora sem um ùltimo passeiozinho, né? Santa Maria Maggiore!! Depis almoço e.. trem!

Cheguei em Milao às 19:00hs… frio, mas sem neve!

Adoro viajar… mas também adoro voltar! Ainda mais quando sou recebida pelo meu amado, que me prepara um risotto maravilhoso, e me presenteia com meu panetone preferido, sem frutas cristalizadas, mas com uva passa, amendoas e merengue!!