Último passeio dos meus 44 anos!

26 jun

Amanhã, dia 26 de junho, completo 45 anos. O passeio de hoje, o “último aos 44”, teve um significado diverso. Se fosse um dia qualquer, seria um simples passeio. Mas não era um dia qualquer. Hoje, a estrada percorrida simbolizava a estrada da vida. O percorrer de um caminho espiritual, profundo, lindo e cheio de luz. O sol nos energizando, os pássaros limpando o ambiente. As frutas nos lembrando que a vida pode ser doce se tivermos paciência para esperar o momento certo. As nuvens do céu, formando figuras e, com o sol, alternando luzes, como se os anjos estivessem ali, a nos abençoar. Duas das pessoas que mais amo percorrendo comigo aquelas estradas…(Duas que os olhos físicos conseguem enxergar, e no mínimo outras duas- ou outros dois- nos acompanhando lá do Mundo Espiritual). Até uma libélula veio nos visitar e a lagartixa, tranquila, me lembrando que amanhã sou eu quem trocará de pele. Deixar o velho para trás. Transmutar, transformar. Gratidão, gratidão, gratidão.
@festugatoana , @stenobell77 , Renan de Souza, Ruben José Festugato. Obrigada por estarem sempre ao meu lado. Amo vocês.
Marian

Stanotte

22 maio
Stanotte ho fatto un sogno. Voglio dire, inizialmente sembrava un sogno, ma ora mi rendo conto che forse non era un sogno, ma un viaggio astrale. Un viaggio nella spiritualità.
Ricordo che eravamo su un aeroplano, voglio dire, "penso" fosse un aeroplano. Visto dall'esterno, prima di “imbarcarsi”, sembrava un normale aereo. All'interno, invece, era molto più ampio, più largo. Uno dei fattori che mi ha fatto pensare che fosse un viaggio nella spiritualità è che io, in un altro “sogno”, avevo viaggiato proprio su un mezzo di trasporto del genere. Poltrone ampie e comode. Questa volta ho anche commentato con Zaida: "Wow, viaggeremo tutti in Business!" E ho anche detto:"Chissà quanto abbiamo dovuto pagare? Pensa André quanto avrà speso! Chissà se è stato lui a pagare anche il biglietto per Cátia, oltre a quelli di Dani e Bela? E ricordo che Zaida mi diceva di no, che André aveva pagato il suo biglietto,quello di Dani e quello di Bela e Cátia e Paulo avevano pagato il loro,e quelli di Amanda e Bianca. E stavo pensando: Wow, tutti in Business! Mi sa che insieme abbiamo speso una bella cifra! Non sapevo, in quel momento, che il “pagamento” forse era stato effettuatio attraverso ATTITUDINI, gesti di gentilezza, carità e altruismo.
Sì, Zaida! C'erano persone sull'aereo che, almeno a prima vista, non ho riconosciuto. Ma oltre a loro, c'erano Stefano, mia madre, zio Ruben, zia Marlene, zio Pedrinho, zia Mary, zio Paulo, Mauro, André, Dani, Isabela, Cátia, Paulo, Amanda, Bianca, Zaida e Tais. Forse c'erano anche altre persone conosciute, ma queste erano le più vicine a me (come posto a sedere). .Un misto di "gruppo degli 11" con qualche persona in più. Allora andiamo alla passeggiata, o almeno ai momenti che conservo nella mia memoria.

Sebbene fosse un tipo di aereo, a un certo punto stavamo viaggiando via terra. Come quando l'aereo viaggia lungo la pista, attraverso il finestrino si vedeva il movimento delle ali e delle ruote che toccavano terra. Tuttavia, non abbiamo attraversato una pista, ma era un posto con montagne, grotte...

Improvvisamente, siamo entrati in una grotta! Internamente tutte le luci si sono spente. Dalla finestra, invece, si vedeva la grotta tutta illuminata. All'interno dell'aereo, l'unica luce visibile proveniva dalla mia macchina fotografica. Ero affascinato da tanta bellezza e continuavo a provare a scattare foto.

Sul lato destro, inizialmente, stalattiti, stalagmiti, piccoli corsi d'acqua. Sul lato sinistro si potevano osservare piccole cascatelle, la cui schiuma mi ricordava qualcosa che avevo già visto, un luogo dove ero già stato. Improvvisamente, ho un “pop” e commento: “Sono le cascate del Niagara! Siamo in Canada!”. Quando mi rendo conto che non siamo più dentro la grotta, ma praticamente dentro le cascate. "Il Canada! Penso che siamo in Canada!”.


Improvvisamente abbiamo preso il volo e questa volta ciò che ha attirato la mia attenzione sono, sul lato destro,  grandi colline dalle estremità arrotondate, tutte completamente innevate. Ognuna di esse illuminata da centinaia di luci e con sopra alcune decorazioni natalizie. In uno, un gigantesco pupazzo di neve sorridente, i cui occhi, bocca, naso e stivali erano fatti di luci. In un altro, un gigantesco pino, il tutto addobbato con luci colorate e con sotto dei pacchi regalo giganti, verdi, rossi, gialli, azzurri. In un altro è stato osservato un piccolo casolare. Ricordo di aver esclamato: “Sì, può essere solo il Canada”!

Peccato che tanta acqua insieme abbia finito per farmi svegliare, dalla voglia di fare pipì! Chissà in quanti bei posti saremo ancora andati!


So che i sogni sono spesso l'unione di cose che abbiamo visto, letto, ascoltato, oltre a ricordi e ricordi che conserviamo. Tuttavia, il fatto che questo “aereo” (e anche la sala partenze) sia esattamente come in un sogno precedente (e non ho mai letto o sentito niente del genere) e alcune caratteristiche e sensazioni difficili da trasmettere la carta mi fa credere che questa passeggiata sul piano astrale sia avvenuta davvero. Forse quello non era il Canada, o almeno non il Canada che conosciamo da queste parti, ma chissà, forse abbiamo viaggiato attraverso lo spazio astrale situato sopra il Canada, in qualche colonia a cui si è ispirato?

Quello che so è che devo solo ringraziare per questo viaggio meraviglioso, in una compagnia così speciale. Ringrazio in particolare lo zio Ruben, la zia Mary e lo zio Paulo, perché so che sono stati loro a regalarci questa esperienza così speciale.

Marian

P.S: Gruppo degli 11: come ci eravamo auto- nominati quando siamo venuti in Italia nel 2008, per il matrimonio di Pati e Matteo. Facevano parte degli 11: Io, mia madre Ana, zio Pedrinho, zia Marlene, zio Ruben, André, Dani, Paulo, Cátia, Zaida e Tais.

Marian

Il posto era un po’ diverso. Foto a mero scopo illustrativo
La casetta somigliava a queste, ma la foto è a mero scopo illustrativo!

Esta noite

22 maio

Esta noite eu tive um sonho. Quer dizer, inicialmente parecia um sonho, mas agora me dou conta talvez não tenha sido um sonho, mas uma viagem astral. Um passeio na Espiritualidade.

Lembro que estávamos em um avião, quer dizer, “acho” que era um avião. Visto de fora, antes do “embarque”, parecia um avião normal. Por dentro, no entanto, era bem mais largo. Um dos fatores que fez com que eu pensasse que foi uma viagem na espiritualidade, é que eu, em outro “sonho”, tinha viajado exatamente num meio de transporte assim. Poltronas largas e confortáveis . Desta vez até comentei com a Zaida: “Nossa, viajaremos todos em Business!” E até comentei: puxa, quanto será que tivemos que pagar? Já pensou o André?  Será que foi ele quem pagou também pra Cátia, além da Dani e da Bela?” E lembro da Zaida me dizendo que não, que o André tinha “pago o bilhete” dele, da Dani e da Bela e que a Cátia e o Paulo tinham pago o deles, o da Amanda e o da Bianca. E eu pensando: puxa, todos em business, devem ter gasto uma nota!  Mal sabia eu, naquele momento, que o “pagamento” talvez se desse por meio de ATITUDES, gestos de bondade, caridade e altruismo.

Sim, a Zaida! Na aeronave tinham pessoas que eu, ao menos à primeira vista, não reconheci.  Mas além delas, embarcaram juntos neste passeio o Stefano, a minha mãe, o tio Ruben, tia Marlene, tio Pedrinho, tia Mary, tio Paulo, o Mauro, André, Dani, Isabela, Cátia, Paulo, Amanda, Bianca, Zaida e Tais. Talvez outras pessoas conhecidas também estivessem por lá, mas estes eram os que se encontravam mais próximos.Uma mistura de “grupo dos 11”[1] com algum “plus”. Vamos então ao passeio, ou pelo menos aos momentos que guardo na lembrança.

Embora fosse um tipo de avião, em um certo momento viajávamos pela terra. Como quando o avião percorre a pista de decolagem, pela janela dava para enxergar o movimento das asas e as rodinhas que tocavam o solo. No entanto, não percorríamos uma pista, mas era um lugar com montanhas, grutas…

De repente, entramos dentro de uma gruta! Internamente, todas as luzes se apagaram. Da janela, no entanto, podíamos observar a gruta toda iluminada. Dentro da aeronave, a única luz visível era a da minha máquina fotográfica. Eu estava fascinada com tanta beleza e seguia tentando fazer fotos.

Do lado direito, inicialmente, estalactites, estalagmites, pequenos cursos de água. Já do lado esquerdo, se observavam pequenas cascatas, cuja espuma me fazia lembrar algo que eu já tinha visto, um lugar em que eu já tinha estado. De repente, tenho um “estalo” e comento: “São as Cataratas do Niágara! Estamos no Canadá!”.

Quando me dou conta não estamos mais dentro da gruta, mas praticamente dentro das cataratas. “ O Canadá! Acho que estamos no Canadá!”. Repentinamente alçamos vôo e desta vez o que me chama a atenção são, do lado direito,  grandes colinas de pontas arredondadas, todas completamente cobertas de neve. Cada uma delas iluminada por centenas de luzes e com, no topo, alguma decoração de Natal. Em uma um boneco de neve gigante e sorridente, cujos olhos, boca, nariz e botinas eram feitos de luzes. Em outra, um pinheiro gigante, todo decorado com luzes coloridas e com embaixo pacotes de presente gigantes, verde, vermelho, amarelo, azul. Em outra, se observava um pequeno chalé. Lembro que eu exclamava: “Sim, só pode ser o Canadá”!

Uma pena que tanta água junto acabou fazendo com que eu despertasse, louca para fazer pipí! Quem sabe quantos lugares lindos ainda teríamos percorrido!

Sei que muitas vezes os sonhos são a união de coisas que vimos, que lemos, que escutamos, além de lembranças e memórias que guardamos. No entanto, o fato do tal “avião” (e a sala de embarque também) ser exatamente como era o de um sonho precedente (e eu jamais ter lido ou ouvido falar de algo assim) e algumas características e sensações difíceis de passar para o papel me fazem acreditar que este passeio no plano astral realmente se realizou. Talvez aquele não fosse o Canadá, ou pelo menos não o Canadá que conhecemos por aqui, mas, quem sabe, percorremos o espaço astral localizado acima do Canadá, alguma colônia na qual ele foi inspirado?

O que eu sei, é que só tenho a agradecer por esta viagem maravilhosa, em companhia tão especial. Agradeço especialmente ao tio Ruben, a tia Mary e o tio Paulo, pois sei que foram eles que nos oportunizaram esta vivência/experiência tão especial.

Marian


O lugar não era bem assim, mas um pouco se parece. Imagem apenas a cunho ilustrativo.
O chalé lembrava um pouco estes daqui, mas era um único, bem no topo. Imagem meramente ilustrativa!

[1]  Grupo dos 11: modo como nos auto nominamos quando estivemos na Itália em 2008, para o casamento da Pati e do Matteo. Faziam parte dos 11: Eu, minha mãe Ana, tio Pedrinho, tia Marlene, tio Ruben, André, Dani, Paulo, Cátia, Zaida e Tais.

Per mia madre.

6 fev

Articolo del 6 gennaio 2022

Il sette è sempre stato considerato un numero magico. Numero “cabalistico”, misterioso, speciale.

Io in particolare ho sempre amato il numero 7, forse per l'anno in cui sono nata: il 77.

7 sono i giorni della settimana, 7 sono i colori dell'arcobaleno, 7 sono le note musicali.

Inoltre, 7 sono gli arcangeli, 7 sono i nostri chakra principali!

Il 7 rappresenta la spiritualità, la perfezione.

Oggi, cara mamma, compi 77 anni! Continuo a pensare a cosa può rappresentare un "doppio di 7".

Ti invito a fare, insieme a me, il seguente esercizio:

Pensa ai colori dell'arcobaleno. Ora immagina che ognuno di loro abbia qualcosa di buono, un'energia, una vibrazione unica e speciale da trasmetterti.

Andiamo avanti?

Cominciamo dal rosso. Ti dà forza, coraggio, passione.

Dopo viene l'arancione, il colore della gioia, della prosperità.

Il giallo, che ami tanto, ti porta energia, ottimismo, ti illumina, ti scalda.

Ecco che arriva il verde, che ti porta la cura per ogni tipo di male, che porta salute e speranza.

Poi è il momento del azzurro! Lasciati avvolgere dalla vibrazione del azzurro, vibrazione di armonia, tranquillità, serenità.

Poi arriva l'indaco, indaco, un colore misterioso, che porta armonia e maturità.

E il lilla, il colore dei grandi maestri ascesionati, viene a trasmutare, a trasformare qualsiasi tipo di vibrazione o energia negativa in positiva.

Improvvisamente, l'arcobaleno inizia ad avvolgerti, muovendosi in cerchi, facendo sì che i colori si mescolino e si trasformino in una bellissima luce bianca che ti circonda, facendoti sentire completamente avvolta e completamente in pace.

La stessa cosa vale per i chakra, rossi che ti portano stabilità, energia; l'arancio, sacrale, la creatività; il giallo, nel plesso solare, energia vitale. Il verde, nel cuore, ti porta amore, tenerezza, fede. Nella gola,l'azzurro, la comunicazione, la maturità, mentre l'indaco, nel terzo occhio, ti porta saggezza, intuizione e creatività. Infine, in cima alla testa, una bella luce che si alterna, ora bianca, ora lilla, portandoti pace,ben aventuranze e realizzazioni.

Ora immagina le note musicali. Ognuna vibra, trasmettendoti, in armonia, le sensazioni più belle.

Riesci a immaginare? Ora, pensa a tutto questo, ma in doppio.

Questo è ciò che immagino per te, questo è ciò che desidero!

Per te,amata mia, le sensazioni più belle, le migliori conquiste!

Salute, amore, felicità, fede, pace, gioia e tutto ciò che potresti desiderare!

Oh, e un grande abbraccio!

Ti amo veramente tanto!!
Marian

Per mia mamma (e per mio papà).

6 fev

Articolo originalmente scritto il 16 gennaio 2022.

Amata mammina! Oggi sarebbe il tuo anniversario di matrimonio! 46 anni! Sebbene mio padre sia tornato nel Mondo Spirituale quasi 45 anni fa, chiunque ti conosca sa che, sebbene su piani separati, il vostro amore rimane forte come la prima volta che vi siete incontrati!

Ti sei rifatta la vita sì, ma in un altro modo. Nel tuo lavoro sei stata un insegnante amorevole, devota, gioiosa ed amica. Con i tuoi amici, sei tutto questo e molto altro. Come madre… sei molto più di quanto io possa sognare o desiderare. (Non avrei potuto scegliere una madre migliore!).

Quanto all’amore… lo hai sublimato, lo hai messo in tutto ciò che fai, lo hai trasmesso a chi ti circonda. L’incontro delle anime, tuttavia, è avvenuto in quell’incontro tanto tempo fa. E io sono il frutto privilegiato che quell’incontro di anime ha generato. Ecco perché oggi, ancora più che negli altri giorni, cerca di pensare a voi due con affetto, guarda il mare, guarda il cielo e sorridi. Perché sono sicura che lui, mio padre, sarà al tuo fianco, abbracciandoti, celebrando insieme questo amore di tante esistenze!

Ti amo e, forse in un modo un po’ diverso, so di amare anche lui!

Histórias e memórias do tio Ruben: uma pequena introdução.

22 jan

Ruben José Festugato, o “tio Ruben”, ou “Bibi”, ou “Tuga” para os amigos, era o único filho homem de Pedro e Itália que, além dele, tiveram 5 filhas: Renée Maria Angelina, Maria Célia (Mary), LourdesTherezinha, Marlene Gema e Ana Maria.

Único filho homem e também o único que não se casou, que não construiu família. Quer dizer, mais ou menos.

“Perdi”meu pai muito cedo e o Bibi foi um “superpai” para mim. Motivo suficiente para ser eu a responsável por “passar adiante” suas vivências, suas histórias, seu legado.

Assim como ele, eu também não tive filhos, mais uma razão para que as histórias sejam registradas no papel, podendo assim ultrapassarem gerações.

Deste modo, o tio Ruben permanecerá vivo não apenas no Mundo Espiritual e nos nossos pensamentos e corações, mas também nas lembranças e histórias que, espero, sejam lidas, relidas, “vividas” inclusive pelas gerações que aqui estarão quando eu também já tiver partido.

Marian

Tia Renée!

16 jan

Ontem, 9.4!! Como ela mesma comentou: “Sou quase centenária!”
A tia mais mãezona que existe completou 94 anos!
Aquela tia cujo amor é imensurável!
Eu poderia escrever uma longa lista de palavras para expressar o que ela significa para mim, ou a importância dela na minha vida, mas mesmo assim não seria suficiente. Então, gostaria simplesmente de dizer: GRATIDÃO! Gratidão eterna por fazeres parte da minha vida! Pelos teus ensinamentos, pela tua companhia, pela tua presença, pelo teu desprendimento, pelo teu amor altruísta e incondicional!

Parabéns tia Renée!
😘😘

Histórias e memórias…

16 jan

“Histórias e memórias do tio Ruben”.
Este é meu presente pra ti, querido Bibi!
Um “livro” onde conto histórias, lembranças, vivências, sendo tu a personagem principal.
Queria ter conseguido terminá-lo dia 14 de janeiro, teu aniversário. Não deu. Mas falta pouco! (Ou talvez falte muito, visto a grandiosidade da tua passagem aqui pela terra)

Sei que tens me ajudado a escrevê-lo e não tenho palavras para expressar a minha gratidão, não somente por isto, mas por tudo aquilo que significas para mim.

Que hoje tenhas um maravilhoso dia aí no Mundo Espiritual, possivelmente fazendo aquilo que mais amas: assistindo a um concerto, quem sabe Pachelbell? Ou Mozart? Betoven? Um lindo concerto, acompanhado de outros espíritos que tanto amas e que também já se encontram por aí!

Ah, esta noite, pedirei aos nossos mentores se posso ir até aí te dar um abraço!

Até lá!

Marian.

P.S: se alguém que leu esta postagem até o final lembra de alguma história, alguma lembrança que vivenciou com o tio Ruben e quiser participar deste meu “projeto “, manda mensagem! A terceira parte do “livro ” será dedicada a isto! Obrigada!

À minha mãe (e ao meu pai)

16 jan

Mãezinha amada! Hoje seria o vosso aniversário de casamento! 46 anos! Embora há quase 45 meu pai tenha regressado ao Mundo Espiritual, quem te conhece sabe que, embora em planos separados, o vosso amor permanece forte como da primeira vez em que se encontraram!
Refizeste a tua vida sim, mas de outra maneira. No teu trabalho, foste uma professora amorosa, dedicada, alegre e companheira. Com teus amigos e amigas, és tudo isto e muito mais. Como mãe…és muito mais do que eu pode sonhar ou desejar. (Eu não poderia ter escolhido mãe melhor para mim!).
Quanto ao amor…tu o sublimaste, o colocas em tudo o que fazes, o transmite àqueles que te cercam. O encontro de almas, no entanto, aconteceu naquele encontro de tanto tempo atrás. E eu sou o privilegiado fruto que aquele encontro de almas gerou.
Por isso amada, hoje, mais ainda que nos outros dias, pensa em vocês com carinho, olha pro mar, olha pro céu e sorri. Porque tenho certeza que ele, meu pai, estará ao teu lado, te abraçando, festejando junto este amor de tantas existências!

Te amo e, de um jeito talvez um pouco diferente, sei que amo ele também!

Para a minha mãe.

6 jan



O sete sempre foi considerado um número mágico. Número “cabalístico “, misterioso, especial. Um número místico.
Eu particularmente sempre adorei o número 7, talvez por causa do ano em que nasci: 77.
7 são os dias da semana, 7 são as cores do arco-íris, 7 são as notas musicais. Além disso, 7 são os arcanjos, 7 são os nossos chackras principais!
O 7 representa a espiritualidade, a perfeição.

Hoje, querida mãezinha, completas 77 anos. Eu fico pensando no que uma “dupla de 7s” pode representar.

Te convido para, junto comigo, fazer o seguinte exercício:

Pensa nas cores do arco-íris. Agora, imagina que cada uma delas tem algo de bom, uma energia, uma vibração única e especial para te transmitir. Vamos lá?

Comecemos pelo vermelho. Ele te transmite força, coragem, paixão.

Daí vem o laranja, cor da alegria, da prosperidade.

O amarelo, que tanto amas, te traz energia, otimismo, te ilumina, te aquece.

Aí chega o verde, te trazendo a cura para qualquer tipo de mal, trazendo saúde e esperança.

Depois é hora dos azuis! Deixa-te envolver pela vibração do azul, uma vibração de harmonia, tranquilidade, serenidade. Depois chega o anil, o índigo, cor misteriosa, trazendo harmonia maturidade.

E o lilás, cor dos grandes mestres ascensionados, vem para transmutar, para transformar qualquer tipo de vibração ou energia negativa em positiva.

De repente, o arco-íris começa a te envolver, se move em círculos, fazendo com que as cores se misturem e se transformem em uma linda luz branca, a qual te cerca, fazendo com que tu te sintas completamente e inteiramente em paz.

A mesma coisa vale para os chackras, o vermelho te trazendo estabilidade, energia; o laranja, sacral, criatividade; o amarelo, no plexo solar, energia vital. O verde, no coração, te traz amor, ternura, fé. Na garganta o azul, comunicação, maturidade, enquanto o índigo, no terceiro olho, te traz sabedoria, intuição e criatividade. Por fim, no topo da cabeça, uma linda luz que se alterna, hora branca, hora lilás, te trazendo paz, bem aventurança e realizações.

Agora imagina as notas musicais. Cada uma delas vibrando, te transmitindo, em harmonia, as mais belas sensações.

Imaginou?

Agora, pensa em tudo isto, porém em dobro.

Isto é o que imagino para ti, isto é o que desejo!

Para ti, minha querida, as mais belas sensações, as melhores realizações!

Saúde, amor, felicidade, fé, paz, alegria e tudo o mais que possas desejar!

Ah, e um abraço beem forte!

Te amo muito!!

Marian